Nascido em Manhumirim (MG), aos pés da Serra de Caparão, aos cinco anos se mudou para o Rio de Janeiro, cidade que adotou como lar e, na sua opinião, o pedaço mais bonito e fascinante do mundo. Autodidata, se tornou escritor profissional escrevendo roteiros para histórias em quadrinhos nas revistas de terror da Editora Vecchi, do Rio de Janeiro. Muitas de suas histórias foram publicadas em várias editoras no Brasil, em Portugal, Bélgica, França, Holanda, Cuba e EUA. Chegou a escrever livros de bolso de bang bang sob 39 pseudônimos diferentes. Em 1986 ganhou o Prêmio Ângelo Agostini de Melhor Roteirista de Quadrinhos e, em 1988, publicou o primeiro livro infanto-juvenil, Saguairu, que lhe deu, no ano seguinte, o Prêmio Jabuti de Autor Revelação. Tem mais de 134 livros publicados em 14 editoras diferentes. Consta também em sua trajetória roteiros para o homorístico Os Trapalhões, da Tv Globo, e algumas mini-novelas para a televisão do Paraguai. Em 1997, ganhou o Austrian Children Book Award, na Áustria, pela versão alemã de seu livro Crianças na escuridão (Kinder im Dunkeln); e com o mesmo livro, o Blue Cobra Award, do Swiss Institute for Children´s Book.

Entre as dezenas de obras publicadas podemos mencionar, além de Saguairu, Uma pequena história de Natal; Anjos no aquário; Pivete; Crianças na escuridão; Felicidade não tem cor; Um sonho dentro de mim; Abre-te sésamo; Enquanto houver vida viverei; A história de Lalo; Um conto de fim de mundo.

Ainda tenho aquela visão romântica do escritor. Se algum livreiro quiser colocar banquinha para vender, até fico lá para autografar.


Júlio Emílio Braz